Governo do Distrito Federal
Maria da Penha ONLINE Governo do Distrito Federal
24/01/24 às 17h40 - Atualizado em 24/01/24 às 17h47

Equipes recolhem 800 kg de lixo em ação contra a dengue no Parque da Cidade

Ação eliminou possíveis focos de proliferação do mosquito Aedes aegypti em um dos pontos mais movimentados da capital

 

Mais uma medida para evitar a proliferação do mosquito transmissor da dengue e outras doenças ocorre em Brasília. Na manhã desta quarta-feira (24), cerca de 800 kg de inservíveis entre garrafas, latas e lixo em geral foram retirados do Parque da Cidade Sarah Kubitschek, próximo a áreas do lago.

 

“É importante porque dentro do Parque da Cidade nós temos um fluxo muito grande de frequentadores. A gente não quer que ninguém saia daqui contaminado com a dengue. Mas a população também precisa fazer em casa. É importante a gente se conscientizar que é importante o trabalho de cada um”, observa o administrador do Parque da Cidade, Todi Moreno.

 

A ação De mãos dadas contra a dengue reuniu 30 reeducandos da Seape e 30 servidores do SLU | Fotos: Geovana Albuquerque/ Agência Brasília

 

A ação, batizada de De mãos dadas contra a dengue, é realizada por uma união de órgãos do Distrito Federal, que incluem a Secretaria de Esporte e Lazer do Distrito Federal (SEL-DF), a administração do Parque da Cidade Sarah Kubitschek, a Secretaria de Administração Penitenciária do Distrito Federal (Seape-DF) e o Serviço de Limpeza Urbana (SLU).

 

O secretário de Esporte e Lazer, Renato Junqueira, explica que a medida chega para somar forças às ações já realizadas e que estão em curso pelo GDF. “O combate à dengue é uma responsabilidade de todos nós e, juntos, devemos agir para intensificar as ações de bloqueio ao mosquito transmissor”.

 

Guilherme Almada: “O combate à dengue é um dever de todos”

 

A iniciativa envolveu 60 trabalhadores – 30 reeducandos da Seape e 30 servidores do SLU. A limpeza começou no Estacionamento 10 e seguiu em direção aos estacionamentos 9, 8 e 7. Nesse período, os espaços foram limpos e os possíveis focos de dengue, eliminados.

 

“Auxiliar a comunidade nessas parcerias, nessas ações é uma forma de a gente fomentar a ressocialização da pessoa privada de liberdade, atuando na limpeza do parque, recolhendo inservíveis, objetos que acumulam água. O combate à dengue é um dever de todos”, acrescenta Guilherme Almada, responsável pelo projeto Mãos Dadas da Seape.

 

Combate biológico

 

Em novembro do ano passado, o espaço recebeu a instalação de 20 dispositivos de combate ao Aedes aegypti. Os aparatos, instalados em pontos estratégicos, foram doados à SEL e repassados para a administração do Parque da Cidade.

 

Chamados Aedes do Bem, os dispositivos são produzidos por uma multinacional de biotecnologia. Trata-se de uma solução biológica segura e eficaz que não traz prejuízo aos usuários. Além disso, a Piscina com Ondas recebe operação de limpeza a cada 15 dias para evitar o acúmulo de água parada no ponto alto de evolução do mosquito.

 

*Agência Brasília